Relato do quarto parto - Parto Desassistido

Após realizar duas cesáreas desnecessárias e conseguir um parto domiciliar com parteira, me senti totalmente realizada como mãe e mulher. Senti-me completa, empoderada e voltei a confiar no meu corpo que ate então eu pensava que não fosse perfeito para parir.
Sim, meu corpo era perfeito e eu sabia parir, eu só não tinha sido assistida por profissionais competentes que acreditassem em mim, no meu corpo e na capacidade de parir que toda mulher tem.
Quando consegui meu parto natural, meu esposo estava morando no Japão já fazia seis meses, e ele não pode estar comigo na ocasião, então eu lhe disse que ainda teríamos mais um filho para que ele pudesse estar presente no acontecimento mais maravilhoso da vida dessa mãe-mulher-humana: o parto!
Ele riu e disse que pensaria no assunto...

Em Julho de 2007, meu esposo foi me visitar no Brasil e engravidei da Ana...hahahaha
Ele voltou em Setembro ao Japão, e eu fiquei me preparando para ir para junto dele. Juntei os documentos necessários e fiquei aguardando o visto sair para poder viajar.
Durante a preparação para a viagem e a espera, eu busquei vários contatos via e-mail e Internet, para tentar conseguir uma parteira japonesa para me atender no parto em casa, mas não tive êxito. Eu ate pensava que quando chegasse ao Japão poderia ser mais fácil, porém se não acontecesse eu tinha um plano B...
Eu tive um insight através de um relato de parto desassistido, e como boa ariana-romântica que sou, achei a historia perfeita para ser protagonizada por mim e meu esposo.
Achei um site de UNASSISTED em inglês e todo dia visitava para ficar sonhando com o parto da minha filha.
Eu também lia e relia o relato de parto da Meire (eita parto rápido que eu queria tanto), e quando a Mariana teve o parto desassistido planejado, eu li e reli todo o debate que rolou na lista parto nosso sobre o assunto.
Tudo isso e algumas historias na Internet também, me inspiraram de uma forma tão boa, que eu declarei que seria a próxima a ter o parto desassistido.
Mandei um e-mail para o meu marido falando do assunto e pedi para ele pensar na possibilidade.
No dia seguinte nos falamos por telefone e eu lhe perguntei:
- Se eu não conseguir uma parteira para me atender em casa, você me ajuda a ter a nenê em casa num parto UNASSISTED?
Ele me perguntou:
- Você sabe como fazer isso?
Eu disse:
- Creio que sim, basta deixar o corpo agir, você só terá que me ajudar a relaxar, tudo bem?
- Se você acredita que e simples assim tudo bem, eu confio em você...
- Eu tenho algumas duvidas, mas vou mandar um e-mail para minha amiga doula Ana Cris e esclarecer tudo, acho que vai dar certo...
Com a concordância dele eu não precisava de mais nada, apenas continuar acreditando em mim e meu corpo, e também no Criador das coisas perfeitas...
Tudo deu certo com o visto, e viajei para o Japão no oitavo mês de gestação, ou seja, aos 40 minutos do segundo tempo, porque as Cias aéreas quase que me barram para viagem, mas acabaram aceitando a carta do medico dizendo que eu estava apta a viajar.
Chegando ao Japão, fiz contato com as pessoas que poderiam me ajudar a conseguir uma parteira, mas não foi possível. Com a gravidez já tão avançada e também pelo fato de ter tido cesáreas previas minhas chances eram zero.
Nem clínica de parto eu consegui, apenas uma maternidade aceitou me atender, desde que eu cumprisse as regras deles.
Eu tinha como plano A que a nenê nascesse em casa num parto desassistido, apenas entre eu e o marido e as crianças, e o plano B era ir ao hospital caso algo fugisse muito daquilo que eu vivenciei no parto do Gabriel, como por exemplo: alguma dor diferente ou sangramento.
No hospital me atenderam bem, mas tinham exames demais e consultas demais para uma gestante que não tinha problema algum, excesso de zelo eu acho, acabei tendo que fugir de algumas consultas e também tendo que me justificar de todas as formas para não aceitar a internação quando cheguei na 40ª semana.
Quando fiz a ultima consulta, me disseram que se não entrasse em TP ate 28 de abril, eles induziriam o parto, e eu comecei a ficar desesperada, isso foi no dia 23 de abril.
A lista Materna, como sempre, foi minha inspiração e apoio. Quando perguntei sobre até onde poderia ir com o empoderamento, se passasse do dia 28, recebi uma injeção de ânimo: "Continue com o parto desassistido e fique tranqüila, mesmo sem ter plano B!", eu chorei de emoção ao ler essas palavras e sorri, sorri de uma forma tão verdadeira, sorri com a alma, de tão feliz e confiante que me senti.
Sim tudo aconteceria perfeitamente, como foi no parto do Gabriel, era só eu me tranqüilizar, e naquele instante eu me tranqüilizei...
Houve uma pessoa muito bondosa e que muito ajudou, um grande amigo virtual, que e japonês e casado com uma brasileira, e deu-me um grande apoio emocional, fez todos os contatos possíveis para ajudar, nunca vou me esquecer do seu esforço para minha realização. Ele conseguiu conversar com uma parteira da cidade vizinha que fica uns 80km da cidade onde moro, para que ela fizesse um descolamento de membrana no sábado, dia 26, para que o TP começasse.
Eu fui ate sua clinica, e ela, que e um anjo de pessoa (uma parteira-doula que tem olhos orientais tão brilhantes e doceis que me contagiou com sua ternura) fez o descolamento e me deu ótimas dicas e conselhos para ritmar as contrações e ter um TP tranqüilo, tudo isso sem me cobrar um centavo de YEN!
Ela me disse que estava com 4cm de dilatação e que tudo daria certo, e me falou uma palavra que adorei e que guardei durante todo aquele dia e durante o TP: GAMBATE! Que significa: força, coragem!
Na volta para casa, que durou uma hora e vinte minutos de carro, eu já senti duas contrações doloridas e fiquei muito feliz!
Chegamos em casa eram umas 15 horas, eu tinha uma tonelada de roupa para lavar e fui para a lavanderia, o marido ficou com as crianças.
Quando voltei eram 17:30 e eu fui fazer a janta e depois dar banho nos pequenos.
Depois do banho, jantamos e eles foram ver desenhos, eu passei as ultimas roupas da Ana, separei as primeiras roupinhas que ela colocaria e deixei sobre a mesa da cozinha, junto com o Moises.
Ate ali eu tinha sentindo umas 7 ou 8 contrações um pouquinho doloridas, mas nada que fosse forte o bastante para me fazer parar.
Eram 21 horas e eu fui tomar uma banho quente que durou uns 30 minutos (olha o nível!!!!! hehehehe foi por uma boa causa), chorei e conversei muito com a nenê, falei que estava tudo pronto e que se ela não nascesse, a mamãe teria que ir para o hospital e tudo seria mais difícil para nos, e ela entendeu o recado...
Sai do banho, me agasalhei como aconselhou a parteira, fiz os exercícios propostos por ela durante 40 minutos e as contrações começaram.
Eu coloquei um cobertor elétrico nas costas e fiquei de quatro debruçada sobre a bola suíça, assistindo um DVD de reggae com meu marido, enquanto ele anotava os intervalos das contrações, elas vinham de 6 em 6 minutos exatos, e estavam bem suportáveis, eu respirava tranquilamente e elas iam embora em 30 segundos. Ficamos contando das 22 ate às 23 horas e ficou assim.
Como achei que fosse demorar para engrenar, resolvi que dormiria um pouco e pedi para o marido ir dormir também, pedi para ele colocar um CD que tinha separado para o TP e me deitei.
Nesse momento a Sarah começou a chorar e falou:
- Mãe queria que a Ana nascesse logo!
Respondi:
- Ela vai nascer filha!
- Eu que queria acordar e já ver minha irmãzinha...
- Peça ao papai do céu que vai dar certo, ok?
Ela rezou e falou ia dormir e queria acordar logo para ver a irmã. Eu concordei, embora não acreditasse que seria assim... Os meninos, nessa hora, já dormiam.
O ritmo das contrações continuou o mesmo, e deitada comecei a ficar incomodada, então resolvi levantar, já era meia-noite.
Chamei o marido, que nesse momento já roncava, para me ajudar e disse que precisaria de seu apoio.
Ate pensei em mandar uma mensagem para a lista, mas no momento que sentei na bola e liguei o PC, tive uma contração bem forte e resolvi nem entrar na net, só coloquei meu CD para tocar e fiquei de quatro sobre a bola suíça, que era a posição mais confortável e menos dolorida para estar no momento.
Peguei minha imagem de Nossa Senhora de Fátima e foi com ela que me senti amparada pelas mãos maternais de todas as mulheres que me deram força para chegar aonde cheguei, ela com seu olhar carinhoso me doulou durante todo TP.
Também comecei a beber água benta que tinha separado para o parto, acredito muito na fé nesse momento que é de grande espiritualidade. É uma grande passagem, renascimento mesmo! Independente da crença de cada uma, acredito que criar um ritual é muito valido!
Fiquei conversando com meu marido e disse que iria para o chuveiro só na hora que o "bicho pegasse" pra valer...
Nessas contrações só respirar devagar já não ajudava muito, eu comecei a ficar com vontade de mudar de posição, então liguei para a AC, minha amiga doula do Brasil, era 1 hora da manhã.
Ela falou que devia estar na fase latente, 5 cm, e que chuveiro e bola ajudariam, e lá fui eu para o chuveiro, mas não aliviou muito...
Nesse momento lembrei do TP do Gabriel, o chuveiro aliviava tanto, dava uma segurada nas contrações, elas não vinham com tanta força e dava para tomar o fôlego, mas naquele momento, não foi bem assim...

Eu sentia a dor na frente, não nas costas, e na frente era muito ruim...
Nas costas, com massagem, alivia muito a dor, mas na frente era mais complicado...

Água quente não ajudava, massagem não ajudava, banheira não ajudava...
O que mais ajudou foi marchar e andar rápido, abrindo as pernas para os lados, como se fosse um caranguejo...huahuahuahuahua
Fiquei 40 minutos no chuveiro e mais uns 20 no ofurô e resolvi sair...
Me agasalhei e fiquei com o cobertor elétrico nas costas de novo, mas ai já não conseguia respirar mesmo, as contrações duravam 1 minuto, os intervalos ficaram menores, eu comecei a sentir a tremedeira, só que bem de leve, e aquele soooooooooono de derrubar elefante e deitei de lado no chão da sala dizendo para o meu marido segurar na minha mão quando viesse a contração...
Naquele momento me lembrei que podia ser a fase de transição e perguntei para o meu marido se ele achava que era, ele me disse que sim, mas eu achava que não era não...Será que tudo estava sendo tão rápido assim???
Eu cochilava e chegava a sonhar, de tão cansada que me sentia, dai vinha a contração e eu apertava a mão do meu querido. Foram umas 4 ou 5 contrações assim...
Foi ai que me deu um "sirico-tico" e resolvi levantar...
Levantei e começamos a dançar, andar rápido pela casa, como no vídeo da Naoli, Dia de Nascimento, eu balançava a cabeça, as pernas e cantava cada hino de louvor que passava pela cabeça, meu marido me ajudava, me assoprava, contava piada e falava que eu tava indo bem...
Abrir a boca (a minha então que e enooooorme..rsssss) me ajudava a respirar e me envolver com a emoção do momento e me esquecer da dor.
Quando não lembrava de nada para cantar eu dizia para o meu marido: Eu te amo, te amo, te amo, te amo, te amo...
Ele achava que era falta do que dizer, mas não, aquilo vinha do fundo do coração, eu o amava por estar ali comigo, por tanta cumplicidade, compreensão, respeito, auxilio (mesmo sem saber ao certo como fazer), pela sua doação naquele momento que ele sabia que era muito importante para mim...
Eu senti que no TP, envolver-se com a emoção faz a gente esquecer da dor, e deixar-se levar pelo amor faz a situação ficar muito mais tranqüila e calma...
Pensar no amor nesse momento me fez muito bem, porque o AMOR e a fonte de tudo, não só o amor de esposos, mas o amor no sentido amplo: amor pela vida, amor pelo Criador, pela natureza e etc.
Quando foi chegando perto das 2:30 e a dor só piorava, eu comecei a pedir para ir para o hospital, tava insuportável, eu já não sabia em que estagio do TP eu estava, eu sentia medo (porque que a gente esquece que sente isso e que é normal???) eu não conseguia ficar parada, eu tinha vontade de gritar mas não podia, (pelo medo dos vizinhos chamarem a policia) então resolvi ir para a banheira mais um pouco e tentar me controlar...

O maridão tinha toda a paciência do mundo e me dizia:
- Amor, você não quer ir para o hospital, eu sei que você vai me agradecer por não te levar depois, fique calma, você esta indo bem, logo a nenê vai chegar, você vai ficar feliz e vai me agradecer por não ter te atendido.
Mas eu dizia que tava doendo muito e que o fato de não saber em estagio eu estava me deixava com medo, confusa, eu queria gritar, eu queria anestesia, eu queria me livrar da dor logo...
Pedi para ele ligar para AC de novo e explicar como estavam as coisas e pedir auxilio sobre o que fazer para aliviar a dor.
Depois de alguns minutos ele voltou e com um sorriso enorme me disse:
- Boas noticias!!!! A AC falou que não ha nada mais que se possa fazer, e que se você esta sentindo muita dor e porque já vai nascer, que você sabe muito bem disso e que agora e só esperar que vai acontecer rápido.
- Mas amor ta doendo muito, eu não agüento mais, me leva pro hospital por favor, por favor (dizia isso com lágrimas nos olhos e carinha de piedade...hehehe) ele já ia pegando o celular para ligar para a vizinha quando veio outra contração e uma vontade enorme de fazer força...
Ele segurou na minha Mao e começou cantar:
- Paaaaaaaaai nosso que estaaaaaaaais no céu, santificaaaado seja o teu nome... (do Padre Marcelo) - e eu cantei junto com a voz embargada e uma vontade louca de gritar, mas abrir a boca cantando já ajudava muuuuuuuuuuito e depois que passou o pico da contração cantamos:
- Paaaaaaai, meu pai do céu, meu pai do céu, eu quase me esqueci, que o teu amor vela por mim, que seja feito assim!!!
Então eu disse:
- Amor eu tive vontade de força!!! Será que já e o expulsivo???
- E sim amor, eu vi no reflexo da água você se abrindo!!!
Mas a posição de cócoras no ofurô era muito desconfortável, doía demais, mesmo dentro da água que eu pensei que fosse mais tranqüilo...
Meu marido perguntou se eu queria que ele fizesse um toque para ver se já dava para sentir a cabeça dela e eu disse que não, que eu mesma ia fazer...
E não é que nessa hora eu senti a cabecinha dela lá embaixo?!!!
Veio mais uma contração e tentei ficar de joelhos, mas a dor era "punk" dentro da banheira apertada.
Já não era tão ruim como a dor das contrações anteriores, porque quando se faz força, da uma aliviada legal, mas doía um bocado.
Depois dessa contração olhei na banheira e vi um pouco do tampão e um &(#$%¨¨& junto...rssssss!!!
Sai da banheira e me enxuguei, e pedi para ele pegar um futon, (um colchão japonês que parece um edredom grosso) lençóis, toalhas, travesseiros e vir segurar logo na minha mão... rssssssss
Ele fez tudo rapidinho e segurou na minha mão na próxima contração, onde a vontade de fazer força continuava...
Vieram mais duas contrações e fiquei na duvida se era mesmo o expulsivo por dois motivos:
1º - O TP tinha sido muito rápido e eu achava que não tinha dilatado tudo, podia estar fazendo força sem ser a hora certa.
2º - Li numa mensagem da lista que, quando não esta saindo muco ou tampão, significa que a mulher não esta dilatando e isso ficou meio confuso na minha mente, porque ate então, não tinha saído nada, só um pouquinho do tampão lá na banheira.
Me deitei de lado sobre o futon e falei para o meu marido que ia tentar não fazer força nas contrações, porque achava que não estava na hora, mas foi muito difícil, doía muito sem fazer força, a força era realmente instintiva...
A posição que eu já tinha experimentado e tinha sido mais confortável no parto do Gabriel, era a posição de quatro debruçada sobre travesseiros, sendo que o quadril fica mais elevado que o tronco, e foi assim que eu, segurando as pernas de uma cadeira que passava por perto naquele momento e ouvindo as vozes das mulheres que me doularam no parto anterior me dizendo:
- Falta pouco, agora vai nascer, a dor vai passar, sua filha esta vindo, força de coco, falta pouco, faça a maior força do mundo, GAMBATE, GAMBATE!!!
Em 4 contrações senti sair a cabeça, não senti circulo de fogo, (assim como no parto do Biel) e nessa hora já não sentia mais dor, só a vontade de ver minha pequena.
Eu disse para o meu marido:
- Calma, na próxima contração sai o corpo. Você consegue colocar o dedo e sentir se o cordão esta no pescoço?
- Não, acho que não... Quer que eu tire uma foto para você ver como esta a cabeça dela? (falou com voz de homem assustado)
- Não, não, já esta vindo outra contração! Segura ela, não deixa ela cair!
Senti o corpo dela deslizar para fora e logo virei para ver minha filha, e foi quando levei um susto: Cordão no pescoço e no braço!!!
Tirei as voltas do cordão meio no desespero e falei para o marido pegar as toalhas e o cobertor aquecido.
A menina soltava um catarro pela boca e começou a ficar roxa, eu falei: Respira filha, respira, chora filha por favor, chora!!!
Ela deu um grunido e foi ficando corada, soltou mais um catarrinho e gruniu de novo, dai foi respirando, respirando... eram 3:15 da manha...
Foram os 10 segundos mais longos da minha vida, eu enxugando-a, esfregando, rezando e pedindo para ela respirar.

Logo liguei para a AC e não segurei as lagrimas: Nasceu!!! Ela ta respirando e já esta coradinha... Então, está tudo bem, né?
- Sim, tudo bem, amamente, descanse, espera sair a placenta, depois me liga para cortar o cordão ok?
E assim fiz, relaxei, beijei, cheirei, depois de 5 minutos ela pegou o peito pela primeira vez e ficou uns 5 minutos mamando, parou e sorriu para mim, nessa hora lembrei do NASCER SORRINDO!

Meu querido me falou que ela nasceu com uma "pele" no rosto e dai foi que me lembrei da bolsa: não rompeu quando nasceu a cabeça!!!
Ela nasceu empelicada e a bolsa só estourou na hora que passou o ombro!!!
O marido começou passar mal e ficou meio bobo depois de tudo, foi tocado pela oxitocina do momento, tirou umas fotos, ligamos para a família no Brasil, me ajudou a deitar e depois deitou no sofá e cochilou enquanto eu curtia a cria e amamentava.
Passados uns 20 minutos do nascimento, a placenta saiu inteira com tudo dentro, bem bonitinho, deu um dó de jogar no lixo... snifff...

Depois de mamar uns 40 minutos, Ana, que estava apenas enrolada na toalha, fez sua primeira obra prima e me deu um banho de meconio...huahuahuahuahuaua
Liguei para AC mas o celular estava fora de área, dai liguei para minha parteira querida VN e ela me explicou como cortar o cordão... o pai não quis cortar e eu mesma fiz o trabalho...hehehe

Tomei banho, dei banho na cria mais nova, e chorei, chorei, chorei de emoção, agradeci mil vezes ao marido por não ter me levado ao hospital, disse para ele o quanto o amava por entender, me respeitar, me conhecer melhor do que eu mesma, me apoiar, segurar nossa filha nos braços logo que nasceu, me ajudar e enfim ele me disse uma frase que nunca vou esquecer: AMAR CONSISTE TAMBEM EM RESPEITAR A ESCOLHA DO OUTRO E APOIA-LO, ACREDITAR NO OUTRO MESMO QUANDO O OUTRO LHE PEDE ALGO QUE VOCE NAO ESTA 100% SEGURO PARA FAZER! ISSO E DOAR-SE POR AMOR!!!

Depois de separarmos a roupa para lavar, separar o "lixo" do parto e eu comer um prato de sucrilhos com leite, fomos para a cama, já eram 6 da manhã.

Meus filhos acordaram assim que entrei no quarto, na nossa cama familiar, e já vieram festejar a irmã que acabara de nascer. Eles ficaram tão felizes, radiantes mesmo!!!
A Sarah então, nem se fala, dizia com um sorriso nos lábios: Papai do céu ouviu minha oração e trouxe minha irmãzinha!!!

Foi lindo esse momento, eu como manteiga que sou, chorei mais um poucão...
Ficamos um pouco na cama e eles logo foram tomar o café da manhã, eu amamentei a cria novamente e adormeci para descansar um pouco...


Mais uma vez: meu Deus, meu Pai, obrigado por essa historia com final feliz maravilhosa!
A todos que me ajudaram a escrever esta historia eu agradeço de coração!!!
Se fosse citar todos os nomes aqui não haveria relato, mas uma lista de mais de 100 nomes com certeza!!!
Vocês sabem que estão no meu coração!
Mas preciso aqui mandar uma abraço especial a Márcia Golz, a Thais Saito, a Ana Cris, ao Daisuke Onuki, a Vilma Nishi, a Michiko Ikegami e um suuuuuuper abraço especial ao meu querido e amado esposo Cleber, que com esse parto renovou nossos votos nupciais, uma semana antes de completarmos 7 anos de casados!

Se você veio ate o blog através do relato, por favor deixe seu recado, e diga o que achou de ler essa experiência. Eu vou gostar de saber...

Para mais informações sobre parto humanizado, amamentação e outras coisas da maternidade acesse os links ao lado.

46 comentários:

  1. achei o relato de parto mais lindo e emocionante que já li... com certeza vou me inspirar para o próximo bebé.

    Karina

    ResponderExcluir
  2. Ai amiga!!! O que eu achei do seu relato??? Eu chorei muito!!!! De emoção,de inveja,sim,inveja,tive dois partos nada humanizados(forcps e indução). E apesar do desespero pela dor,por nao saber em qual estágio vc estava, amei ver essa coragem,esse empenho. Lindas as fotos na banheira, lindo,sublime, alí te ví uma índia,num momento que é só nosso, nosso e da cria. O parto é um momento mágico, só quem tem a felicidade de querê-lo de fato é quem sabe. Amei seu marido por saber sim o que vc queria e podia. Vou reler e chorar outras vezes depois e divulgar. Isso foi um parto de fêmea,numa comunhão sublme com o provedor.Felicidades.

    ResponderExcluir
  3. Nossa... estou boquiaberta! Que coragem, mulher! Que coragem!! Depois dizem que nós não temos mais instinto. Taí. Mesmo sem saber as teorias todas (em que momento do TP estava, por exemplo), seguiu o instinto e trouxe a vida como ela deve ser trazida: em comunhão com as mulheres (seja apenas em pensamento), em comunhão com o sagrado (seja lá qual for a religião), em comunhão com o seu corpo, em comunhão com a pessoa que você escolheu para estar ao seu lado e em comunhão consigo mesma. Parabéns pela força, pela coragem, pela mulher que é, por nos dar a honra de conhecer a sua história. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Agradeçoa Deus uma vez mais por me dar a oportunidade de ouvir as tuas historias nestes dois ultimos partos... Ja te escrevi, peço que me escreva tb, meu nome é Patricia, estou vivendo no Peru, tb outro país, outra realidade, e estou de 31 semanas, estou tb lutando proque nenhum medico quer fazermeu parto natural, e me condenaram à cesarea... estou lutando com todas as forças, e tb contra a pressao familiar.mas vou ate o fim, por favor, amiga, me ajude e ore por mim... meu contato: futbolperu_2@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Lindo, emocionante, verdadeiro, intenso.
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  6. Lindo! Muito encorajador!!

    ResponderExcluir
  7. Olá!!!

    Não sei como cheguei até seu blog, mas sei que me emocionei mto com sua força, sua coragem!
    Parabéns!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Relato tao emocionante! Amei!
    Estou na minha segunda gestação e a primeira foi cesarea, seu relato me deu mta força para um parto domiciliar em casa assistido por doula, mas domiciliar.. meu marido tb se emocionou mto!
    Mta luz, paz e graças a familia.
    Um bjao!

    ResponderExcluir
  9. Maravilhoso...
    gostaria muito de ter essa coragem q vc teve!
    Muito emocionante tudo!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Oi Rosana, muito lindo e emocionante o relato do teu parto, graças a Deus que correu tudo muito bem! Um óptimo dia para vocês. Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Lindo!!!!!! seu relato é sentir-se junto em todo momento de seu MARAVILHOSO PARTO!! e me encoraja cada vez mais em ter o meu daqui a três meses!!!
    obrigada por nos proporcionar esse relato de milagre da vida!
    Bjs
    Gre
    Brasil

    ResponderExcluir
  12. olá, fiquei uito emocionada com oseu parto, e digo que vc é muito corajosa por isso, eu ainda não tenho filhos, mas queria enomendar um ano que vem, e desde já amadureço a ideia de ter u parto natural, em casa, meu marido não concorda muito, e ainda tem um fator agravante, o custo de um parto assistido é muito alto, então tb fico lendo relatos de partos naturais para me alentar, e fortalecer mais esse desejo até o grnade dia!!!
    parabens!!!

    ResponderExcluir
  13. NAo me lembro agora como cheguei aqui, mas to SUPER emocionada com seu relato, e espero um dia fazer um parto desassistido.

    O primeiro vou lutar pra ser PD assistido, pq precisamos ver como é pra passar por ele depois, mas espero um dia ter sua garra e força pra passar por ele.

    PARABENS! Bjinhus

    ResponderExcluir
  14. Quanto luz!!! Estou grávida de algumas semanas. Meu primeiro filho nasceu de parto normal com intervenções, o segundo foi natural na água, numa casa de parto e agora penso no parto desassistido, mas surgem dúvidas, vc bem sabe. Me emocionei, estou com lágrimas nos olhos (mulher grávida chora até com propaganda de sabão em pó, né? rsrs) e seu relato me inspirou mais ainda.
    Beijo no coração!

    ResponderExcluir
  15. Lindo demais !!!!!
    Parabéns pela coragem, pela força, por tudo !!!
    Uma curiosidade, nao teve nenhum corte??? Se tivesse, como vc faria para dar pontos???
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. É FAÇO MINHAS AS PALAVRAS DESSA MOÇA A RAISSA.E OS PONTOS NÃO PRECISA NEM CORTE NEDA MESMO?OLHA VO DIZER MAIS UMA VEZ Q TE ADMIRO...ESPERO SE PRECISAR CONTAR COM VC ...
    ANDRÉA.

    ResponderExcluir
  17. Vc é realmente muito corajosa, parabéns, eu não sabia sobre parto desassitido e fiquei muito emocionada com o seu relato. Só uma duvida vc nao teve laceração? e não foi ao hospital depois?? Parabéns mesmo linda familia.

    ResponderExcluir
  18. Seu relato da forcas para aquelas que como eu , querem um parto mais natural possivel.

    Estou tentando convencer minha mae a fazer meu parto, mas ela esta resistente. Engracado que ela fez o da vizinha, mas por emergencia mesmo, nao por opcao..

    Se ela nao topar, vou ter na casa de parto Sapopemba!

    beijokas e tudo de bom para a sua pimpolha!

    ResponderExcluir
  19. GAMBATE!!!
    desde ja desejo gambate ao próximo que vem aí!!
    que coisa linda chorar com voce...tive meu PD ha menos de 2 meses...tudo ainda-e sempre- muito forte na memória.......
    muuita emoçao! parabens por receber a Ana assim

    bjo Anna

    ResponderExcluir
  20. Nossa!!!!lindo, lindo, lindo!!!!to emocionada...Que força, que benção....
    Muita luz!
    Bjs
    Tati

    ResponderExcluir
  21. ai, rosana, nossa...q coisa mais linda...to morrendo de chrar!!!acho que foi o relato mais emocionate e sincero que eu já li...fiquei super tocada pela parte importante que a espiritualidade e a religiao tiveram no teu parto. Deus é TUDO, amor é TUDO... nossa! seu marido foi demais... só posso desejar toda a felicidade do mundo pra vcs!!!!... e parabéns pela coragem e pela fé!!!!
    ah, aproveitando a deixa... vc tem idéia de como faria se houvesse laceração??? e como foi o registro?vc por acaso chegou a ir em um hospital/pediatra depois do parto? como foi?
    um beijo!!!

    ResponderExcluir
  22. Lucia,
    A laceração, como qualquer corte, cicatrizaria sozinha.
    Se fosse pequena eu não faria nada, mas se fosse grande eu faria sutura no hospital.
    Para o registro eu disse que não deu tempo de ir para o hospital porque o parto foi rapido e levei duas testemunhas que comprovaram minha gravidez (pq me viram gravida) e que souberam que tive o parto em casa.
    Meu parto foi de sabado para domingo, e como a nenê estava bem, mamando bem, tinha feito xixi e coco, estava coradinha, eu fui no hospital somente na segunda-feira.
    beijo e obrigada por ler

    ResponderExcluir
  23. Rosana,

    Primeiro. PARABÉNS, PARABÉNS E PARABÉNS!!!!
    Você é a mãe mais Mamífera que já ouvi falar.
    Sua coragem e simplicidade sobre parir me faz pensar a que ponto nós podemos chegar.
    Não tenho filhos mas estou tentando encomendar um e quero muito um parto domiciliar, agora, um parto desassistido, só daqui uns aninhos de mamífera mesmo viu?!! Não que eu não confie na natureza, só penso que não saberia reconhecer o que meu corpo estaria dizendo na hora P.
    Estou me preparando para ter a Ana Cris como minha parteira se Deus quiser.
    O seu marido é muito especial viu?!!! Uma jóia rara, que Deus abençõe vcs.

    Bjs

    Michele

    ResponderExcluir
  24. Ro, que coisa maravilhosa. Que emoção linda! Fiz questão de ler relato por relato e acompanhar toda a saga desde o primeiro. Você é muito corajosa, uma mulher super empoderada. Parabéns!
    Pensar que não tive coragem nem de fazer PD... quem sabe o próximo? Um bj gde,
    Val do Enrico

    ResponderExcluir
  25. RELATO MARAVILHOSO!!!!
    Meu nome é Lucivani, tenho 23 anos!!!
    Tenho o Victor de 3 anos, e me sinto muito realizada, pois nasceu de parto normal como sempre quis, sem anestesia esem episiotomia, estou esperando a Victória, 30 semanas e 4 dias, estou anciosa, porém acredito q será do jeito q seu irmão nasceu,"quero muuuuito", só não sei se tenho tanta coragem como vc, em tê-la em casa, mas PAPAI DO CÉU q sabe, só fiquei entristecida por saber como são as "coisas", onde vc morava aqui no Brasil (os médico preferirem cesárea), pois acho q o parto normal tem q ser incentivado,parabéns, muitas felicidades!!!

    ResponderExcluir
  26. Sou a Lucivani
    HUM, esqueci, moro em Joinville, SC, e aqui quando inicia as contrações, ou TP, é só ir a maternidade referencia, Maternidade Darcy Vargas, q lá os profissionais só fazem cesáreas quando realmente há necessidade, falando nisso quero agradecer aos profissionais q fizerao meu parto, pois sem eles eu não teria conseguido...

    ResponderExcluir
  27. Nossa! Li seu relato antes do parto da minha Luiza! Vc me inspirou muito! Obrigada!!!

    Um Super Abraço!

    Malena.

    ResponderExcluir
  28. maravilhoso! que lindo parto, que linda mae vc é! parabens mil vezes! e muito amor para vcs todos! Gra do raul

    ResponderExcluir
  29. lindo!
    muito emocionante esse relato, que coisa boa vc viveu! parabéns!
    tenho 19 anos e não tenho filhos, mas cada vez mais tenho certeza que quero um pd quando for a hora!
    abraços!

    ResponderExcluir
  30. Rosana,
    Estou aqui esperando o parto do bebê5 e lendo seus relatos. Lindos!!!
    Estou emocionada com este ultimo!
    E estou aqui totalmente conectada com vc!
    GAMBATE!
    Bjs
    Helô

    ResponderExcluir
  31. Que coisa deliciosa esse relato.
    Tanta emoção e humanidade... adorei mesmo.
    Que nesse seu proximo parto seja lindo igual. Estou na torcida!

    ResponderExcluir
  32. O mesmo pijama do da Clara!!! Vc é demais Rô e família!

    ResponderExcluir
  33. Que lindo relato. Amei! Tive 2 cesareas, no terceiro fiquei 40 horas esperando normal e me entreguei a cesarea sem necessidade. Estou grávida do quarto filho e gostaria muito de parir. Vamos ver se vou conseguir. Meu filhinho mais novo está com 10 meses. Estou inspirada na sua história. Que Deus abençoe a sua familia. Muito linda a historia. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marilia, quem vai te acompanhar?

      Para tentar um parto depois de 3 cesareas tem que ter um profissional que acredite mesmo em vc e te apoie com essa decisão.

      Se precisar de indicações me escreva: rosana.oshiro@gmail.com

      beijo

      Excluir
  34. Parabééns por esse parto maravilhoso ...
    Estou em busca do meu PD com parteira ...
    Espero conseguir, eu sei q tb sou capaz de parir.

    Felicidades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Rafaella!
      Te desejo um parto feliz e realizador!
      Quem será tua parteira?
      Se você for de SP posso te ajudar como doula tbem! =)

      beijo

      Excluir
  35. Nossa que lindo *-* me emocionei aqui, quanta força em você que eu fico pensando se sou capaz de conseguir.

    ResponderExcluir
  36. LINDO! ACREDITÁVEL! INVEJÁVEL! PERFEITO! MARAVILHOSO! MEIGO! EMOCIONANTE! VIBRANTE! INTENSO! DIVINO! ESPECIAL!AI... TUDO DE BOM QUE HÁ NA VIDA!!!!!!!BEEEMMMM MELHOR QUE CHOCOLATE!!! ;)

    BEIJOS E PARABÉNS A TODA A FAMILIA!

    ResponderExcluir
  37. Lindo, verdadeiro, fiquei emocionada aqui!
    Se eu tiver outro filho quero um parto domiciliar!
    Já tive uma desnecesária e um parto normal em hospital, mas acredito que quanto mais natural mais realizada nos sentimos! Parabéns pela coragem guerreira!

    ResponderExcluir
  38. lindo mesmo!!! É meu sonho ter um parto assim em casa.... tenho pavor de pensar em cesária... tive 3 partos normais, mas foram realizados em hospitais... Mas tenho esperanças ainda de conseguir um parto em casa em família... quem sabe do quarto filho dá certo....

    ResponderExcluir
  39. Lindo, emocionante de mais! Estou no início da minha gestação e ler teu relato me deu forças. Gratidão bela flor! <3

    ResponderExcluir
  40. Olá Rosana!
    Achei mais do que lindo o seu relato. Essa sua história de sucesso me inspirou e estou aqui com os meus botões [e o com o meu Danielzinho] considerando um parto desassistido, se estiver tudo certo. Acredito no meu corpo, tenho um corpo perfeito e podemos fazer isso.
    É simplesmente incrível o trabalho empoderador de relatos assim. O parto é da mulher, definitivamente.

    Parabéns e gratidão por compartilhar esse momento tão seu, tão íntimo e tão belo.

    Gratidão, gratidão, gratidão.

    ResponderExcluir
  41. Nossa Rosana!!!
    Ler os relatos dos teus 4 partos foi simplesmente INSPIRADOR para mim! Tu és uma mulher de garra e coragem!
    Sempre tive o sonho de um parto natural, na água, sem nenhuma intervenção.
    Tive uma cesárea completamente desnecessária.
    Hoje meu filho está com 3 anos, mas lendo relatos como o teu só me encorajo a tentar meu tão sonhado parto natural!
    Parabéns mesmo!

    ResponderExcluir
  42. lindo amei estou de 34 semanas tive 3 partos normais,agora vou fzer cesárea para laquear,mais com essa depoimento me deu força e coragem para ter normal novamente vc é muito forte e guerreia..

    ResponderExcluir
  43. por favor me ajuda eu também quero este parto!

    ResponderExcluir

O que achou desse relato?
Deixe seu comentário, pergunta ou sugestão.